A Klabin (KLBN11) teve um revés nos planos para deixar de pagar royalties por uso de marcas.

A Sogemar retirou seu consentimento para a proposta de incorporação pela Klabin.

Segundo a Klabin, a decisão se deve à reação de um acionista contra o negócio. O investidor que se opôs sugeriu que a Klabin rescindisse o contrato com a Sogemar em definitivo.

“A proposta carece de seriedade mínima, pois pretende imputar aos acionistas uma decisão que, para ser tomada com um mínimo de diligência, por quem quer que fosse, requereria uma análise criteriosa sob o ponto de vista jurídico, financeiro e empresarial quanto ao seu cabimento, custos, benefícios e riscos – podendo-se mesmo cogitar responsabilidade decorrente de eventual deliberação nesse sentido que se afigure ilegal e prejudicial a uma companhia aberta como a Klabin”, afirmou a fabricante de papel e celulose.

A Assembleia Geral Extraordinária (AGE) marcada para o dia 14 de março foi cancelada.

Anunciado no mês passado, o acordo permitiria que a Klabin explorasse diretamente as marcas de seus produtos, pelo qual paga royalties para a Sogemar.

Em fato relevante enviado ao mercado após o pregão desta quarta, 6, a Klabin fez uma longa defesa do acordo, que atribuía o valor de R$ 343,8 milhões à Sogemar, montante que representaria um desconto de aproximadamente 50% sobre o valor presente do fluxo de pagamento de royalties.

“Para que se tenha ideia da irresponsabilidade da proposta, na opinião dos advogados da companhia a eventual rescisão do Contrato de Licenciamento pode vir a acarretar a perda imediata do direito de uso das Marcas, inclusive nos demais registros da Companhia que são relativos a outros produtos de papel e derivam do registro originário da marca nominativa”, destacou a Klabin.

No fato relevante, a empresa informa que seu conselho de administração decidiu convocar uma assembleia geral extraordinária requerida pelo único investidor reclamante, uma vez atendidas certas formalidades por ele ainda não observadas.

Fonte: https://financenews.com.br